Blog

Competências do Advogado do Futuro

Nos últimos anos, novas tecnologias no mundo do direito têm transformado este universo. O mercado jurídico brasileiro está atrasado neste processo: empresas e advogados precisam, urgentemente, se adaptar às últimas tendências para permanecerem competitivos.

Do ponto de vista do profissional, para garantir uma carreira bem-sucedida, as organizações e os clientes procuram advogados com conhecimento, mas que também dominem as competências comportamentais. São elas que nos diferenciam das máquinas e trazem um valor ainda incomparável ao ser humano.

E quais são estas competências?

1.     Criatividade

Os advogados precisarão ser, cada vez mais, criativos para se destacaram no mercado. A sociedade está mudando em escala geométrica, as leis, a jurisprudência, nada disso acompanha esta velocidade. Os advogados terão que usar a sua criatividade para pensar em soluções para os problemas dos seus clientes. Os robôs não conseguem competir com os seres humanos na criatividade. O futuro local de trabalho exigirá novas formas de pensar e esta competência humana é a chave para isso.

2.     Inteligência emocional

Cada vez mais, é necessário interagirmos com os outros para termos sucesso em nossa carreira. Não dá mais para pensar em trabalhar isolado. A ênfase à cooperação e à importância das relações sociais só vem aumentando. Por esse motivo, ter a capacidade de entender as emoções dos outros, de entender e se conectar com eles, é de importância crucial. A inteligência emocional aproxima os negócios para o lado mais humano. Isso está se tornando vital.

3.     Adaptabilidade ou flexibilidade

Parafraseando Albert Eistein, se você deseja resultados diferentes, faça coisas diferentes. Em um mundo em constante transformação, a mudança já não é mais uma opção. Ela é uma realidade constante. Para quem não quer ficar no meio do caminho é preciso ter um olhar para frente, estabelecer novas metas, adaptar-se a novas realidades e, o mais importante, nunca parar de aprender.

4.     Liderança

A frase “Manda quem pode, obedece quem tem juízo”, nunca ficou tão desatualizada no universo jurídico. O salário é importante, mas isso já não prende os indivíduos.

Inspirar, motivar e ajudar as pessoas a se tornarem as melhores versões de si mesmas é uma competência com imenso valor.

É preciso ter claro que nós precisamos das pessoas. Não só do ponto de vista de necessidade de conexão e pertencimento que o ser humano tem, como em relação ao sucesso no trabalho. Desenvolver esta habilidade para formar times que irão lhe ajudar na sua carreira, é um diferencial fantástico para o mercado de trabalho.

5.     Gestão de Tempo

Dia destes estava assistindo o documentário do Netflix sobre o Bill Gates e vi que ele é extremamente sério em relação ao uso do seu tempo. Não só é pontual, como nenhuma reunião passa do tempo que lhe foi estipulado, porque este é um recurso que ele, independente da quantidade de dinheiro, não pode comprar.

A má gestão de tempo tem um impacto altamente negativo no nível de estresse das pessoas, levando a graves doenças. É vital, literalmente, vital aprender a gerenciar o seu tempo com eficiência diante de tanta velocidade e demandas concorrentes.

6.     Competências multiculturais

Você já ouviu falar das mudanças que conexão 5G trará para o mercado. O mundo estará mais do nunca interconectado. As fronteiras físicas dos países não foram vencidas, mas pela internet, estamos a um clique dos outros países. Basta eu pegar o meu celular, que eu estou no Japão em menos de 1 segundo.

Portanto, é vital que os indivíduos ampliem as suas mentes para compreender, respeitar e trabalhar com os outros apesar das diferenças de raça, cultura, língua, idade, sexo, orientação sexual, crenças políticas ou religiosas.

Já se provou que a diversidade traz lucratividade em vários sentidos. O profissional precisará ter a capacidade de entender e se adaptar a outras pessoas que possam ter diferentes maneiras de perceber o mundo.

Ser mais inclusivo vai ser sinônimo de ser mais bem-sucedido.

7.     Gostar de tecnologia

Inteligência artificial, blockchain, internet das coisas, robótica e outras tantas, estão a por aí a toda.

E tem como fugir? Não, né?

Isso significa que todos precisarão de um certo nível de conforto em relação à tecnologia. Isso requererá algumas habilidades. É preciso estudar as tendências, abrir o olhar para o que está acontecendo do lado de fora do seu escritório ou departamento jurídico para entender o impacto potencial das novas tecnologias em seus negócios e em seu trabalho.

Dentro disso eu te pergunto: qual será primeira habilidade que você irá trabalhar?