Blog

Pesos e Contrapesos – O que não devemos sacrificar?

Bryan Dyson trabalhou por 35 anos na Coca-Cola. Em 1986, ele foi nomeado presidente e diretor executivo. Ao terminar o seu trabalho como diretor geral da Coca-Cola, em seu discurso de despedida, expressou uma mensagem que circulava pelo mundo. Nela, ele nos desafia ou nos convida a estabelecer nossos inegociáveis: trabalho, família, saúde, amigos e vida espiritual. Trago aqui o discurso dele:

“Imagina a tua vida como um jogo em que você está fazendo malabarismos com cinco bolas no ar. As bolas são:

1. Trabalho
2. Família
3. Saúde
4. Amigos
5. Vida Espiritual
Você tem que manter todas no ar.

Rapidamente vai perceber que o trabalho é como uma bola de borracha, se a soltar ela rebate e volta.

Por outro lado, as outras quatro bolas: Família, Saúde, Amigos e Espiritual, são frágeis como vidros. Se você soltar qualquer uma delas, ficará irremediavelmente lascada, marcada, com arranhões, ou mesmo partida, o mesmo que dizer, nunca mais será a mesma.

Você deve entender com isto, que tem que te esforçar para conseguir cuidar do mais valioso. Trabalhe eficientemente no horário regular e deixa o trabalho no seu lugar, não o leve para casa. Gasta o tempo necessário com a tua família e os seus amigos. Faz exercício regularmente, come e descansa adequadamente e, sobretudo, fortalece a tua vida interior, espiritual, que é o mais transcendental, porque é eterno.

Shakespeare dizia: “Sinto-me sempre feliz, sabe por quê? Porque não espero nada de ninguém. Esperar dói sempre.

Os problemas não são eternos e sempre têm solução. O único que não se resolve é a morte. A vida é curta, por isso, ama-a!”

Viva intensamente e lembra-te:
Antes de falar… Escute!
Antes de escrever… Pense!
Antes de criticar… Examine!
Antes de ferir… Sinta!
Antes de orar… Perdoa!
Antes de gastar… Ganhe!
Antes de desistir… Tenta de novo!
Antes de MORRER… VIVE!”

Pois é, eu falo constantemente com vários advogados que buscam equilibrar a sua vida profissional e pessoal. Atingir esse equilíbrio envolve estar ciente das suas decisões e ser sincero com as suas motivações. Também observo que os mais novos estão cada vez mais pressionando as organizações a obter esse equilíbrio. Acredito que isso aconteça, porque cresceram vendo os seus pais se entregando ao trabalho e não querem o mesmo para o futuro. Compreender quais são as suas prioridades e corresponder com ações, pressupõe efetivamente fazer a si mesmo as perguntas certas.

Neste vídeo, trago algumas perguntas que podem lhe ajudar a avaliar de uma perspectiva objetiva, como está cuidando do seu desenvolvimento profissional e pessoal:

· O que é importante para você?

· Quais são os seus valores não negociáveis? Você anda sacrificando algum deles?

· Qual é o preço e a recompensa desse sacrifício? Você está disposto a pagar esse preço? Por quanto tempo?

· No que você é realmente bom?

· Seu trabalho atual permite que você o desenvolva através de seus pontos fortes?

· O que você poderia fazer para equilibrar e alinhar as suas motivações com o seu trabalho? Por que não faz isso?

Estar com sua família, cuidar do seu corpo que é o ativo mais importante que você tem, conhecer-se melhor no nível espiritual e realizar atividades que o preenchem são responsabilidades tão importantes, quanto alcançar o seu crescimento profissional. Lembre-se de que, se você não alinhar estes pontos, dificilmente conseguirá capitalizar todo o seu talento. E algumas perguntas finais:

• Por que você se dedica à sua profissão?

• O que você agradece antes de dormir?

• De onde vêm seus motivadores? O que te motiva?

Que tal parar um tempinho e refletir sobre isso? Ter estas respostas pode ser o começo de um caminho muito mais significativo em sua vida.